TAGS

12.9.17
Não sei se também vos acontece, mas sempre que estou a fazer alguma prenda para oferecer, tenho um prazo ou data para entregar, e eu que gosto tanto de personalizar o embrulho (afinal, o cuidado começa na embalagem) acabo sem tempo para idealizar e confecionar uma tag. Nessas horas prometo a mim própria tirar uns dias apenas para fazer etiquetas, agarrar nos retalhos que se multiplicam rapidamente e em abundância, colocar a imaginação para funcionar e costurar uma série delas para ficarem de reserva. De forma a que quando for necessário, baste lançar mão do estoque. A ideia não era fazer nada super elaborado, pelo contrário, queria usar o material que entulha as gavetas de casa, entre fitas com dizeres e em branco, botões, carimbos, colocador de ilhoses, fitas coloridas, corda, missangas, mini alfinetes de dama, e não ter trabalho com medidas e arremates. Quase um improviso. Se soubesse bordar ou crochetar, com certeza a produção ainda teria sido mais simpática!
Achei uma terapia divertida e agora quero evoluir para uns greeting cards, daqueles que comportam um texto maior (e não só o nome da pessoa) e acompanham um presente de aniversário, casamento, ou são enviados com votos de Natal. Aguardem.

OCAPOP: COR E CRIATIVIDADE

7.9.17
Tenho absoluta certeza que a maior parte das pessoas que passa por aqui já conhece a revista digital Ocapop. Mas se nunca ouviu falar, vale a pena espreitar a 8ª edição, que acaba de sair. Cheia de matérias inspiradoras escritas por colaboradores dotados e talentosos, a revista fala de decoração, DIY, nutrição, entre outros temas, mas o foco desta edição é as casas e suas diversas facetas: como podem ser alegres e acolhedoras, nosso porto de abrigo ou também espaço de trabalho. As casas podem ser (e são) muitas coisas, tal como os donos delas. Aqui eu conto como a minha casa é apenas um lugar onde a monotonia não é convidada a entrar. Mas não pare por aí, continue a ler, porque as restantes páginas são pura energia e overdose de criatividade!

CRIATIVIDADE ALHEIA

28.8.17
Sei que o Verão está no fim, mas não posso deixar de partilhar algumas ideias que vi por aí e achei cativantes. Inspirações de reuso, a maior parte delas: utilizar uma cadeira ou embarcações para transforma-las em "vasos" incomuns e decorar os jardins; recorrer a barris para indicar e iluminar a entrada de casa ou demarcar uma zona. Ou tão simplesmente aproveitar as pedras altas de um canteiro, colocar almofadas em cima, e aparecer quase que por magia, um canto agradável para sentar os amigos. Criatividade alheia, que sempre me encanta.

TÁBUAS

20.8.17
A ideia não é inédita, eu mesma já tinha feito uma versão caseira que podem recordar aqui, mas nesta minha viagem constatei que continua em alta, o uso de tábuas de cozinha como individuais. Quem me conhece sabe que eu não cozinho absolutamente nada, mas que adoro uma mesa posta. E geralmente quando há almoços ou jantares cá em casa, haja quem faça/traga/encomende a comida, pois eu fico só com a parte da decoração das mesas! Durante a semana, com as nossas rotinas corridas, é difícil arranjar-se tempo para uma mesa diferente. Mas eu, sou uma fã incondicional de loiças e afins, e gosto de registar ideias que vejo por aí, para poder adaptar e fazer algo mais elaborado aos fins de semana. Afinal, também se come com os olhos! Agrada-me descobrir nova disposição dos talheres, uma outra forma de colocar o guardanapo, se leva porta guardanapo ou só uma amarração, como foram os copos arrumados. E quanto mais sair das regras de etiqueta, mais eu acho graça! Estas mesas foram todas fotografadas no piso de loiças da Saks Fifth Avenue de Toronto, e bem sei que as lojas aproveitam para mostrar o máximo dos seus produtos quando montam as mesas, mas eu até acho interessante esta sobreposição over de elementos, apesar de reconhecer que "na vida real", é impossível e nada prático ter tantos itens em cima da mesa. Mais uma vez, as fotos foram feitas com o telemóvel, disfarçadamente, para não chamar a atenção, daí a fraca qualidade das imagens, mas, mesmo assim, vamos tirar inspirações e aproveitar o resto do verão e das férias para surpreender lá em casa!

PURO ACONCHEGO

9.8.17
Claire é, numa primeira aproximação, uma senhora tradicional e discreta. Mas quando se estreita a convivência, damo-nos conta da pessoa sociável, disponível para quem a procura e cativante que está à nossa frente. E assim é também a casa de 1880 que ela própria remodelou. Num olhar mais distraído, parece-nos clássica, sóbria e igual a tantas outras da região. Mas quando entramos, o que sobressai é um estilo rústico e tão feminino, envolto numa paleta pouco óbvia de tons terra, que filtra a luz e nos dá a sensação de um abraço. A cozinha, pela sua localização central, é literalmente o coração da casa e pela manhã, despertamos com o cheiro a café e pão acabados de fazer que perfuma os ambientes. Louças de família, livros de receitas, pratos pelas paredes, souvenirs deixados pelos viajantes que por lá passam, e detalhes originais da casa, como as saídas de ar quente nos pisos, rodapés altos e molduras trabalhadas das portas e janelas, convivem em harmonia. Na sala de jantar, a peça de eleição da Claire: o antigo pé da máquina de costura atua como móvel de apoio na hora das refeições. Pertencia ao seu pai, que trabalhava nos correios e servia-se da máquina para costurar e remendar os sacos e malas de couro que serviam para transportar a correspondência. Achei curiosa, a história. Assim como achei singular receber a chave de uma casa que não me pertencia, num gesto natural e sem constrangimentos. Única recomendação? deixar os sapatos à porta!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Web Analytics